Venezuela incorporará Carteiras Bitcoin e Litecoin na Plataforma Nacional de Remessas

November 12, 2020 Aus Von admin

A Venezuela diz que incorporará as carteiras de bitcoin e litecoin à Plataforma de Remessa de Cryptocurrency Remittance da Patria.

Em uma atualização, as autoridades do país dizem que esta medida permitirá aos cidadãos venezuelanos receber formalmente as remessas em forma de moeda criptográfica. Muitos cidadãos de hiperinflação já utilizam o Immediate Edge como uma reserva de valor, bem como para pagamentos transfronteiriços.

Planos de adição de pares Bitcoin-Petro Trading

A incorporação formal do bitcoin no sistema de remessas nacionais provavelmente impulsionará o uso de criptos pelos venezuelanos. O país já ocupa a terceira posição na lista de países com o maior uso de moeda criptográfica do mundo.

Enquanto isso, este anúncio feito através do blog Patria, é uma continuação de um padrão de alterações da política de criptografia feitas pelo governo Maduro ao tentar neutralizar os efeitos das sanções dos EUA.

Em uma atualização publicada em 28 de outubro, o governo de Caracas – que ainda espera ver o amplo abraço de seu fracassado petro token – também fala sobre a „incorporação de pares de petro [e] bitcoin e petro [e] litecoin em um sistema de troca“. Entretanto, a atualização não tem detalhes sobre este sistema de troca ou quando esta incorporação planejada está prevista para acontecer.

Enquanto isso, a atualização também revela o plano de introduzir „comissões e taxas para intercâmbio e remessas“. O governo de Maduro está planejando o que ele denomina uma „implementação de uma comissão de serviço para todas as operações realizadas nas carteiras da Petro, Bitcoin e Litecoin“.

Introdução faseada

Embora a atualização não forneça os melhores detalhes, ela esclarece, entretanto, que algumas dessas funções serão introduzidas em fases. A atualização em espanhol, traduzida vagamente, diz:

Nos poucos dias seguintes a esta atualização, algumas destas funcionalidades só estarão disponíveis para um número seleto de usuários com o objetivo de testar as mudanças. A Plataforma Patria incorporará gradualmente todos estes e outros serviços, que devido a sua extensão necessitarão de vários dias de atualização e monitoramento.

Apesar de enfrentar acusações do governo dos EUA de usar bitcoin para escapar das sanções, as autoridades na Venezuela parecem agora mais determinadas a abraçar o criptograma superior do que antes. O governo anunciou recentemente o reconhecimento formal e o endosso da mineração de moedas criptográficas.

Entretanto, assim como a última atualização, Caracas está colocando condições que podem funcionar contra o objetivo maior de aumentar o uso e a adoção de criptos descentralizados e resistentes à censura como o bitcoin.

Resta saber se os membros da comunidade de expatriados venezuelanos vão abraçar a proposta de incorporação da bitcoin no sistema de remessas.

Você acha que a incorporação do bitcoin no sistema nacional de remessa de fundos da Venezuela vai ajudar Caracas? Compartilhe seus pontos de vista na seção de comentários abaixo.